Saúde

Aedes aegypti - Prefeitura inicia primeiro LIRAa deste ano em bairros de Boa Vista

O documento vai apresentar o índice de contágio no município, que classifica as taxas de infestação em baixa, média e alta, nos bairros selecionados da capital.

Por Jamile Carvalho

10/06/2021 - Última atualização 10/06/2021

As equipes de combate às endemias do município de Boa Vista começaram essa semana o primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) deste ano. Os resultados do levantamento serão divulgados na próxima semana.

O documento vai apresentar o índice de contágio no município, que classifica as taxas de infestação em baixa, média e alta, nos bairros selecionados da capital.

Devido a pandemia da covid-19, e por orientação do Ministério da Saúde a Prefeitura não estava realizando o Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti LIRAa.

O último LIRAa foi realizado no período de 27 a 31 de janeiro do ano passado. Foram pesquisados 6.530 imóveis, abrangendo 54 bairros do município de Boa Vista. Destes, 71 imóveis apresentaram larvas de Aedes aegypti. O valor médio do Índice de Infestação Predial obtido para o município foi de 1,1%, que o classificou com médio risco para transmissibilidade de Dengue, Zika e Chikungunya. O relatório também apontou que 98,59% dos focos de dengue ocorreram nas próprias residências e 1,41% em terrenos baldios.

Os agentes de combate as endemias estão visitando as quadras de bairros selecionados para esse primeiro levantamento do ano.

O coordenador municipal do núcleo de doenças transmissíveis por vetores, Samuel Garça explica que devido às precauções tomadas com a pandemia da covid-19, os agentes têm encontrado dificuldades para adentrarem as casas.

“Pedimos que a população possa colaborar com a visita dos agentes, permitindo que entrem para verificar possíveis criadouros e assim fazer a eliminação. Qualquer dúvida é só entrar em contato com a gente na zoonoses. É importante e necessário que nesse período de chuvas os cuidados sejam redobrados com a retirada de objetos que possam acumular água parada e caso a pessoa apresente algum sintoma deve procurar uma unidade de saúde”, ressaltou.

O lixo doméstico ainda é um dos principais focos do Aedes nas residências, seguido das cisternas e fossas. A orientação é que os suspiros das fossas sejam vedados com tela ou tecido para evitar a possibilidade de proliferação do mosquito.

O morador do bairro Raiar do Sol, Wellington Uchôa, 22, recebeu a visita dos agentes em casa e concorda que é necessário tomar mais cuidados.

“É muito importante essa visita, pois eles nos acompanham até os possíveis criadouros que muitas vezes não conseguimos identificar, nos explicam como evitar as doenças, é um trabalho muito importante”, disse.

Medidas preventivas – O trabalho de rotina dos agentes é visitar domicílios, eliminar focos e remover reservatórios, com a ajuda do morador. Em casos notificados e confirmados de dengue, os agentes ainda realizam o bloqueio de transmissão com a bomba costal motorizada.

Carro fumacê – O controle químico com aspersão de inseticida conhecido como fumacê é aplicado sempre nas áreas mais críticas e é realizado pelas equipes da Secretaria Estadual de Saúde, conforme cronograma repassado pelo município.

Dicas de prevenção - Para reduzir a incidência da doença a população deve ser consciente e contribuir eliminando água parada, tampando tambores, poços e cisternas e reservatórios de água e colocando areia fina na borda dos recipientes com plantas e bebedouros de animais de estimação, devendo também se atentar para os suspiros das fossas, para que não fiquem abertos, tampando com tela ou uma meia já usada.

As denúncias sobre possíveis focos de dengue podem ser feitas pela central de atendimentos 156 e também pelo canal da Ouvidoria, 3621-1012.